sexta-feira, 15 de julho de 2011

POEMA DA NOITE EM CLARO


As luzes que vêm de fora
Iluminam minha mente
Em silêncio, ouço gritos
Vindo de bares distantes.

As paredes inclinadas
Denunciam e eu entendo
Que em qualquer canto da sala
Um fantasma se diverte
Batendo nos móveis
Estralando os quadros
De fotos antigas
De tantos fantasmas.

Quem me dera em sonho
Eu fosse criança
No colo do pai
Nos braços da mãe
Sem medo de nada
Sem medo do mundo
Nem deste fantasma
Chamado Ilusão.

Resta-me o café noturno
Uma dose de conhaque
Que despreze um sentimento
Meu sono me foi roubado
Pelo barulho da moto
Amiga do asfalto duro
A noite pertence aos gatos
Eu pertenço à solidão.

Preciso da exatidão da sala escura
Preciso vivenciar meu desespero
Revelador deste morto de olhos abertos
Que sonha acordado com coisas da vida.

Poemas sobem ao teto
São tantos livros. Meu Deus!
Há um gosto amargo na boca
Ando esquecido de mim.

Nos becos, caminham bêbados
Choram mulheres perdidas
Os homens não têm razão
Quando abandonam crianças.

Via satélite vejo
O amor na televisão
A madrugada promete
Outros segredos guardados.

O que é que eu posso fazer
Se não me controlo mais?
É que minha alma adormece
Enquanto o dia amanhece.

(In: Canções para os intervalos - 2011)



10 comentários:

  1. Muito bom, Miranda. Abraço grande!

    ResponderExcluir
  2. A noite insone revela a noite lá fora, que poema forte. Um abraço, Yayá.

    ResponderExcluir
  3. Qu lindo!
    Eu tbm escrevo umas coisinhas, de vez em quando. Queria q vc opinasse (mas já vou logo avisando que não sou escritor).

    ResponderExcluir
  4. Muito lindo, Vôgaluz. Gostei bastante mesmo. Um abraço!

    ResponderExcluir
  5. Amigo...

    Parabéns pelo blog e pelos escritos. Fica um convite para que conheça a Casa da Poesia... www.casadapoesia.ning.com , e se tiver interesse, cadastre-se por lá. Será um prazer enorme recebê-lo.

    Abraços*
    Renato Baptista

    ResponderExcluir
  6. Amigos um belo dia do amigo pra vcs... na musica do milton nascimento e fernando brant a belíssima _Canção da América_, nada pode representar melhor um amigo e a sua importância...

    Canção da América

    Amigo é coisa pra se guardar
    Debaixo de sete chaves,
    Dentro do coração,
    assim falava a canção que na América ouvi,
    mas quem cantava chorou ao ver o seu amigo partir,
    mas quem ficou, no pensamento voou,
    com seu canto que o outro lembrou
    E quem voou no pensamento ficou,
    com a lembrança que o outro cantou.
    Amigo é coisa para se guardar
    No lado esquerdo do peito,
    mesmo que o tempo e a distância, digam não,
    mesmo esquecendo a canção.
    O que importa é ouvir a voz que vem do coração.
    Pois, seja o que vier,
    venha o que vier
    Qualquer dia amigo eu volto a te encontrar
    Qualquer dia amigo, a gente vai se encontrar.

    depois disso é esperar que nossos corações emocionem-se com nossas amizades como emocionamo-nos qdo ouvimos esta declaração de amor, tão maravilhosamente interpretada na voz do meu querido milton nascimento.

    e esperar que cada um de nós escute o que fala o nosso coração...ate pq tudo que eu queria dizer eles já falaram, faço minha a voz deste gigante da nossa musica.

    beijinhos queridos um belo dia do amigo todos...

    ResponderExcluir
  7. Estou passando e lendo seu conteúdo, muito bem organizado e elaborado, boa escrita.

    Muito bom mesmo. Abraço.

    ResponderExcluir
  8. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir